Category

Automação

Automação residencial: por que arquitetos devem dominar o assunto?

By | Automação

Já pensou em controlar a temperatura do ar-condicionado, as luzes dos cômodos da sala, o movimento das cortinas e até a frequência da irrigação do jardim com apenas um toque na tela do celular? Há alguns anos, isso pareciacoisa de filme futurista. Hoje, com a automação residencial, o sonho se tornou realidade.

Soluções são lançadas no mercado ano após ano, sempre de olho nas tendências de consumo de uma população cada vez mais informatizada. A promessa é a mesma: tornar a nossa vida fácil, prática e cômoda.

Quer saber mais sobre as principais tendências da automação residencial? Acompanhe o post de hoje e descubra, também, qual é o papel do arquiteto no desenvolvimento de um projeto que seja rico em tecnologia sem perder todo o conforto que qualquer residência merece!

Qual é a importância da automação residencial para arquitetos?

É claro que, quando o assunto é automação residencial, muitas pessoas pensam logo de cara na praticidade e na possibilidade de ter uma casa supermoderna, mas a prática vai muito além desse benefício.

Você sabia, por exemplo, que uma casa automatizada é uma opção muito sustentável? Pois é! Dessa forma, é possível reduzir inúmeros desperdícios como o de água e luz, por exemplo, uma vez que o morador consegue gerenciar o consumo de onde estiver e da maneira que julgar melhor.

Além disso, a acessibilidade também não deve ser ignorada e é um benefício tanto para o arquiteto quanto para o cliente. Pense só: um smartphone já é suficiente para que o cliente tenha controle e gerenciamento de toda a casa. A vida do arquiteto também será facilitada, já que dessa forma é possível instalar ainda mais elementos que vão incrementar muito o projeto.

Um esquema de luzes, por exemplo, tem a capacidade de transformar o ambiente completamente. Porém, muitas vezes não chega a ser usado direito, já que o cliente precisaria ter o trabalho de ir até o interruptor e fazer a ligação.

Como a automação residencial é feita na prática?

Agora que você entendeu os principais benefícios da automação residencial, é hora de saber o motivo de o papel dos profissionais de arquitetura ser tão importante para que o processo de automação não dê errado.

É fundamental que o arquiteto esteja por dentro da tendência, como uma espécie de ponte entre o cliente e a empresa que fará o serviço de automação. Você será a principal referência nos seguintes pontos:

  • decoração que permita o posicionamento estratégico dos eletrônicos (como a TV, home theater, som ambiente);
  • projeto de luz do cômodo;
  • seleção dos revestimentos que harmonizam com o projeto de automação;
  • melhor opção de tecido para a cortina, por exemplo, caso ela seja automatizada;
  • consulta a engenheiros eletricistas sobre os alarmes;
  • orientação aos eletricistas a respeito dos cabos e fiações.

O arquiteto é um mediador fundamental nesse processo. Com sua expertise, será possível integrar toda a tecnologia desejada pelo cliente sem que o projeto perca sua identidade inicial.

Não é necessário conhecer termos técnicos da área e nem saber instalar um sistema de som automatizado com as próprias mãos. O que importa é o jogo de cintura que permita a realização de um bom “meio de campo”.

É justamente o arquiteto que vai avaliar a viabilidade e funcionalidade de cada um dos desejos do cliente. Por exemplo: imagine que a família deseja automatizar a casa toda. A empolgação está tão grande que o cliente quer colocar um home theater junto a uma grande televisão e um som ambiente com muita potência. O projeto atual, porém, especifica que a sala de estar é integrada à de jantar.

Vale dar a sugestão de dividir os dois ambientes, para que a sala de jantar seja um local mais calmo, com foco nas refeições e nas relações pessoais da família. Já a sala de estar, sim, pode ser totalmente equipada com televisão, som e muita tecnologia. Assim, o uso de um cômodo não atrapalha quem está no outro (o que poderia se transformar em algo desconfortável).

O exemplo acima é apenas uma ilustração das inúmeras funções que o arquiteto agrega ao seu trabalho quando um projeto de automação residencial começa a fazer parte da rotina.

Tenha sempre em mente a importância de se manter atualizado em relação às tendências. O comportamento humano está cada vez mais relacionado ao uso de tecnologia integrada na rotina, ou seja, é fundamental que o arquiteto seja uma referência na área. Imagine se seu cliente chega cheio de ideias para um projeto supermoderno e você não faz ideia do que ele está falando? Vai perder credibilidade, concorda?

Como fazer um projeto diferenciado?
Veja a seguir as melhores formas de fazer um projeto que vai conquistar o coração dos seus clientes.

– MONTE UMA SALA DE CINEMA
Já pensou em ter uma sala de cinema em casa? Não é difícil e nem tão caro, ou seja, o projeto é muito mais acessível do que se imagina.

É simples: separe um local da casa e transforme-o em um cômodo, ou, caso o projeto seja de reforma, use algum ambiente do qual o cliente pode abrir mão. Não precisa ser nada muito grande.

Coloque um sofá (ou dois, caso o espaço permita), de preferência um modelo reclinável, encha de almofadas e deixe uma mantinha na ponta, sempre visível — ela é inclusive uma ótima decoração para sofás. Vale também colocar um grande tapete que cubra boa parte do chão. O ideal para criar o “escurinho de cinema” é ter um sistema de blackout, seja na própria janela ou em cortinas.

A automação entra agora: posicione uma televisão (as de 49 ou 55 polegadas já são ótimas opções) em frente ao sofá e não se esqueça do home theater. O serviço de automação residencial será responsável por integrar o áudio da TV com um som ambiente, usando caixinhas colocadas dentro do teto, por exemplo, além de trabalhar nos esquemas de luz, cortina e ar-condicionado. Sua sala de cinema está pronta!

– CAPRICHE NA ÁREA EXTERNA
Seu cliente gosta de uma boa área verde, mas não tem tempo para se dedicar aos cuidados necessários? Com a automação, saiba que o investimento é de uma vez só e vai contribuir muito para a vida útil do jardim, além de deixá-lo sempre lindo.

Um bom deck unido a uma piscina e objetos de conforto —como espreguiçadeiras ou sofás de madeira com almofadinhas estilosas — já são um bom começo. Para integrar o ambiente, capriche no projeto do jardim.

Pense em acabamentos benéficos tanto para o jardim quanto para a área da piscina, o que evita desconfortos e acidentes. Selecione as melhores espécies de plantas, que vão em conjunto com os desejos do cliente, suas dicas e o estilo do projeto e, por fim, termine a decoração da forma que foi combinada.

No final, a automação entra com a irrigação automática, realizada sempre que o morador selecionar a opção no smartphone. Também existe automação especializada para a piscina, que é basicamente a integração das luzes internas, da cascata, filtro, bomba e temperatura — tudo na palma da mão.

Existe um mundo de possibilidades para quem pretende realizar um projeto rico em automação residencial. Não fique por fora das tendências que envolvem tecnologia e tenha em mente que elas farão parte da rotina do arquiteto cada vez mais e de forma muito rápida.

E então? Conseguiu visualizar a importância do domínio do assunto por arquitetos? Compartilhe o post em suas redes sociais para que seus amigos e colegas também fiquem por dentro!

Artigo original, da Archtrends: https://archtrends.com/blog/automacao-residencial/

Top 5 marcas de automação residencial

By | Automação

Nota: artigo em inglês, na íntegra.

Evaluating the CE Pro 100 Brand Analysis for home automation: For the first time ever, Control4 barely beats Crestron; Nortek’s Elan makes comeback; Savant dips.

Control4 (Nasdaq: CTRL) is now the top home automation provider for CE Pro 100 dealers – the nation’s largest designers and installers of smart-home systems, including audio, video, lighting controls, whole-house controls, security systems, motorized shades and other electronic devices.

Released today, the 2015 CE Pro 100 Brand Analysis(covering the 2014 calendar year) indicates 63% of leading home systems integrators use Control4 for automation, compared to 61% who use Crestron. (Figures exceed 100% because integrators could name up to three vendors).

Last year, Crestron claimed 59% of leading CE Pros and Control4 claimed 50%.

Savant, the newest player to hit the CE Pro charts landed 46% and 43% of CE Pro 100 dealers in 2014 and 2015, respectively.

Elan Home Systems is back in the game, with 18% of CE Pro 100 dealers indicating they use the brand, which is the flagship home control system for Nortek’s Core Brands of audio, video and control solutions.

Elan had dropped out of the top 5 last year, bested by URC, which claimed 9% of CE Pro 100 dealers as customers for its Total Control line of whole-house systems. (URC did take the top slot for universal remotes this year, with a 68% share, beating Control4 by 32 percentage points.)

AMX, which was acquired by Harman in 2014, rounds out the top 5 this year, with 13% mindshare. Even though AMX focuses primarily on commercial markets, the 33-year-old company continues to enjoy a strong legacy in the residential channel.

Below is the complete list of 2015 CE Pro 100 home automation vendors:

Control4: 63%
Crestron: 61
Savant: 43
Elan: 18
AMX: 13
URC: 10
RTI: 10
Lutron: 6
Leviton Security & Automation (HAI): 5
2Gig by Nortek Security & Control: 3
Alarm.com: 1
Qolsys: 1
ProControl: 1
Vantage: 1

Do These Numbers Really Matter?

There are some 15,000 home systems integration companies out there. This Brand Analysis covers only 100 of them. Granted, as the top movers in the industry, these dealers are influential, and their product selections do make a statement across the entire population of dealers.

Ultimately, the CE Pro 100 is simply a nice barometer for the industry: which manufacturers seem to be gaining steam, which appear to be losing ground and which may be showing some promise. For those outside of the home systems integration business, the analysis provides a solid framework for understanding who the key vendors are in this channel.

With that in mind, here are some caveats about the CE Pro 100 Brand Analysis:

  1. Dealers were allowed to select up to three preferred brands in each category, in no particular order. Their selections were not weighted, so a company could be using one brand for 90% of their jobs, and other brands for the remaining 10%. Or they could be splitting their business 50/50.
  2. The 2015 survey was completed in March 2015, with information concerning the 2014 calendar year. It is quite possible that some dealers who brought on new vendors this yearincluded them among their top three brands. Likewise, dealers who parted ways with certain vendors this year might have excluded those manufacturers from their 2014 brand preferences.
  3. We have not cross-tabulated the brands by volume of installations. For example, #2 in the CE Pro 100 list, Vivint, installed 143,000 systems in 2014, most of them 2Gig by Nortek Security & Control. But 2Gig gets only one “point” for that – the same number of points given to Savant and Crestron each for #84, Twilight Solutions, which performs only 30 installations per year. Thus, the CE Pro 100 Brand Analysis says little about the volume of sales for any given vendor.
  4. Of all of the 46 categories studied for the Brand Analysis, whole-house control is the trickiest because it encompasses so many other categories. So, when examining the top home automation brands among the CE Pro 100, readers also should look at complementary categories, including security (Honeywell and Interlogix win), HVAC controls (Control4), lighting control (Lutron) and universal remotes (URC).

Further Analysis for Home Automation Category

With mass-market home automation coming on strong last year, it’s not surprising that Control4 thrived vis-à-vis its historically higher-end competitors.

In fact, Control4’s mindshare among the CE Pro 100 has steadily climbed over the past five years as the industry in general has seen a shift to more affordable systems.

Control4’s (and Crestron’s) dip in 2014 was largely due to the establishment of URC in the whole-home automation category in 2013, after years of being known for its namesake universal remote controls.

URC’s new whole-house solution Total Control began shipping in 2011, with aggressive sales and training beginning in 2012. So 2013 would have been the year that a noticeable numbers of dealers adopted URC for home control.

URC barely missed the Top 5 in the 2015 list, coming in at 10%, tied with RTI. Like URC, RTI has a legacy as a remote-control manufacturer but is gaining traction as a whole-house automation system among the CE Pro 100. RTI could be a special case because some dealers might have included its sister company Pro Control under the RTI umbrella. Pro Control, which enjoys wider distribution than RTI, offers a less expensive solution with a more limited feature set.

So where did Elan go in 2014? Considering the 2014 figures represent 2013 brand usage, we can understand why Elan slipped during that year: Parent company Nortek (Nasdaq: NTK), and particularly the Core Brands audio/video/control group of which Elan is a part, endured some major reorganizations and suffered significant logistical setbacks.

Long-time Elan leader and brand champion Paul Starkey left the company that year, frustrating Elan’s dealer base and sales force. At the same time, Core Brands restructured its independent rep network, consolidating the force down to 28 from a high of 44 across all Core brands.

2014, the year on which the 2015 Brand Analysis is based, saw a period of relative stability for Elan, despite the departure of former Core Brands president Bill Pollock, who was replaced by former VP Joe Roberts.

After the last few years of growing momentum, Savant dipped this year among Top 100 dealers. It’s no surprise. The company was so quiet in 2014 that I speculated an IPO was in the offing. As it turns out, the company was simply hard at work building its new lower-cost home automation platform and raising capital. In September, KKR plunked down $90M for a 35% stake in the company.

It is curious that AMX still finds itself in the top 5 home automation brands among the CE Pro 100. As mentioned earlier, AMX has a long legacy in the category with a reputation for solid products, even though the company’s focus remains on the commercial market.

I suspect if we were to cross-tabulate manufacturers with the number of years dealers have been in business, we’d find a strong correlation between AMX usage and dealer longevity.

2016 Could Be Disruptive

For the past several years, Control4 has owned the mid-market category, but competitive manufacturers are catching up.

This year, all of the top home systems vendors (with the exception of AMX) shipped new systems that are less expensive and easier to program than earlier models. Crestron introduced Pyng; Elan launched g1; Savant created the Single App Home platform.

We got more of the same from runners-up in the whole-house control category: Clare Controls gave us Cliq.lite; RTI invested heavily in its Pro Control brand for the broad market; and URC launched a light version of Total Control, called ccGEN2, for sale through distribution.

This year, URC eliminated ccGEN2 but will sell Total Control through distribution, opening the flood gates to a much larger dealer network. Furthermore, URC announced this year lowest-cost home automation hub to date, the $599 MRX-8.

Meanwhile, lighting behemoth Lutron launched the low-cost, mass-market Caseta line with an IP gateway called Smart Bridge that integrates with Lutron’s own lighting controls, motorized shades (Serena) and thermostats, as well as several third-party smart devices via the cloud. Electricians and other integrators seeking a simple, low-cost solution are starting to embrace the new platform.

All of these initiatives – along with Control4’s new Composer Express platform for much faster installations – will be reflected in the 2016 CE Pro 100 Brand Analysis.

We might also see an uptick from Leviton Security & Automation (formerly HAI), which acquired BitWise in 2014. The acquisition gives Leviton everything it needs now to integrate security with home automation with audio/video control.

We also expect software-based solutions such as On Controls (iRule) and Simple Control (Roomie Remote) to break into the CE Pro 100.

Fonte: CE Pro

Descubra se vale a pena investir na automação residencial

By | Automação, Curiosidades

A tecnologia cada dia mais avança em todos os segmentos e ela pode tornar a vida das pessoas mais fácil. Uma das técnicas que tem conquistado espaço é a da automação residencial. Além de garantir mais conforto e segurança, ela pode gerar valor agregado ao preço do imóvel. Porém, o investimento é alto e será que vale a pena investir na automação residencial neste período que o mercado imobiliário sofre com a retração causada pela crise econômica?
A automação residencial tem se tornado cada vez mais comum. Dados divulgados pela Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside) apontam que o mercado global de automação tem projeção de crescimento anual de 11,36% entre 2014 e 2020. Estima-se que, no Brasil, 300 mil casas possuem automação. Porém, o potencial atual para fornecimento de equipamentos para 1,8 milhão de casas.

Um dos aspectos positivos do investimento é que a automação traz conforto, segurança e praticidade aos usuários. “Este programa de automação trabalha de forma harmônica com os equipamentos de alta tecnologia desenvolvidos para as residências, como aparelhos de áudio, home e televisão, assim como alarmes e sistema de segurança”, explica a arquiteta Rozze Dominggues, do escritório Doma Arquitetos.

No quesito segurança, é possível investir em sistemas como alarmes contra roubos, aviso de vazamento de gás ou falhas elétricas. A automação ainda é capaz de otimizar o consumo. “Um dos benefícios é a economia porque a energia é usada apenas quando necessária porque o controle remoto ajusta o tempo do ar-condicionado, da iluminação, dos dispositivos de áudio e vídeo, o que elimina gastos desnecessários”, acrescenta a arquiteta.

Porém, apesar dos benefícios, o mercado imobiliário sente, neste momento, os reflexos da crise econômica e política que o Brasil enfrenta. O crédito está limitado e os juros estão em alta, refletindo diretamente nas vendas de imóveis no país. Portanto, seria este o momento ideal para investir na automação residencial? É importante frisar que o investimento é alto e que, nesta fase, pode não render o retorno esperado e não valorizar o imóvel como deveria.

“Se o mercado estivesse em uma situação normal de crédito, a automação ajudaria a valorizar. Mas hoje, com as vendas diminuindo, é mais complicado conseguir vender mais caro. Há dois anos valeria a pena fazer o investimento e talvez daqui entre dois e três anos volte a valer a pena”, afirma a advogada Daniele Akamine, diretora da Akamines Negócios Imobiliários.

Para o economista Marcelo Barros, neste momento, vale mais a pena investir no que é essencial para vender um imóvel. “Hoje dificilmente um investimento em automação vai aumentar o preço do imóvel. Quando o imóvel usado está bem conservado tem um valor intrínseco. Se você gastar entre R$ 30 mil e R$ 40 mil em automação, dificilmente esse valor vai transferir para o preço do imóvel. Ou seja, hoje está valendo mais manter o imóvel bem conservado e em bom estado, com uma pintura boa. Não é o momento de investir em automação”, reforça o economista Marcelo Barros.

Porém, mesmo que não seja o momento ideal para investir na automação residencial, este é um mercado que ainda tende a crescer bastante nos próximos anos e é importante que o corretor de imóveis tenha conhecimento sobre o assunto. Até porque, neste momento, a automação pode não influenciar diretamente no valor do apartamento ou da casa, mas ele pode ser o diferencial para atrair o cliente e fechar o negócio, se o corretor souber explicar os diferenciais que a automação pode oferecer.

Processadores Control4 levam streaming de áudio para a casa toda

By | Automação

Um sistema de automação pode ter início de duas maneiras: pela iluminação, através de dimmers e sensores inteligentes, ou pelo som ambiente com a distribuição de áudio em várias áreas da residência e controle por smartphone e tablet, que é a ideia sugerida pela Control4. A marca americana, de distribuição exclusiva da Disac, oferece três processadores para automação destinados a projetos de diferentes tamanhos, mas todos com servidor de música embutido.

Permitem aos usuários ouvir a sua lista de reprodução criada a partir de serviços de streaming na internet ou de dispositivos Apple – via conectividade AirPlay; comandar qualquer equipamento do home theater, por meio de IR e RS-232 ou IP, além de controlar luzes, climatização, cortinas e A/V, através de tecnologia wireless (ZigBee).

Segundo a empresa, os novos processadores trabalham com chipsets multicore de alto desempenho, para maior velocidade no acesso aos dispositivos integrados, Wi-Fi e saída HDMI. E ainda podem ser comandados por controle remoto (modelo SR-260 opcional), paineis Control4, smartphone, tablet, computador, ou navegador do próprio TV.

Apple, Google, Microsoft, Samsung e a Automação Residencial

By | Automação

Quem não gosta de ir ao cinema e enfrentar filas pode assistir aos principais lançamentos de Hollywood direto de casa. Isso, é claro, se o usuário tiver US$ 35 mil sobrando. O Prima Cinema é uma espécie de Netflix de lançamentos que permite ter em casa um filme no mesmo dia em que ele estreia nos cinemas.

Cada filme sai por cerca de US$ 500 e só pode ser adquirido mediante impressão digital do assinante.

São duas categorias disponíveis: ‘lançamentos’ e ‘em breve’. Depois de escolher, o filme é baixado para o dispositivo. O console pode armazenar até 50 filmes ou 75 horas de gravações. A Prima garante que o sistema traz qualidade “duas vezes mais nítida do que o Blu-Ray”, além de som descomprimido com qualidade de cinema.

Fonte: DailyMail